Infraworksys Soluções em Tecnologia
Boa noite - Terça-feira, 04/08/2020 Você está em: HOME > Notícias

  » Indique a Infraworksys
  » Previsão do tempo
  » Cotações BACEN
  » Links úteis
  » Downloads
  » Notícias
  » Dicas
  » Localização



Newsletters Infraworksys
Cadastre-se e receba nossos informativos.

Nome:

E-Mail:

Aceito receber.



Notícias

Inscreva-se em nosso Feed RSS e receba nossas notícias mais rapidamente.
   Adicionar ao Pageflakes - RSS Notícias - Infraworksys   Adicionar ao Google Reader / iGoogle - RSS Notícias - Infraworksys   Adicionar ao My Yahoo - RSS Notícias - Infraworksys   Adicionar ao Netvibes - RSS Notícias - Infraworksys   Adicionar ao MyMSN - RSS Notícias - Infraworksys

Categoria:

Criado em: 28/01/2009 15:56:00
Categorias: Crimes digitais, Hackers, Inclusão digital, Informatização, Internet, Phishing, Segurança, Correio eletrônico, SPAM


Segurança contra spams precisa ser reforçada em 2009

Por Arthur Capella

As tendências sobre spam e malware hoje em dia, podem ser caracterizadas por um número maior de ataques mais direcionados, sofisticados e disfarçados. O número de spam, por exemplo, vem aumentando significativamente. Seu volume cresceu 100%, subindo para quase 200 bilhões de mensagens diariamente em todo o mundo, ou seja, bem mais que 20 mensagens por dia, para cada homem, mulher e criança existente no planeta.

O número de ataques aumenta, coincidindo com acontecimentos populares ou grandes manchetes para dar à mensagem um caráter idôneo. Esses ataques têm como objetivo disseminar conteúdo malicioso, usando como "mulas" assuntos de grande interesse do público, como notícias sobre esportes, política e desastres naturais.

Além disso, o spam também está se tornando mais perigoso. As primeiras versões basicamente continham um texto com objetivo de vender algum tipo de produto. Desde então os spammers têm se sofisticado muito. Em 2007, tivemos uma grande variedade de spams com anexos. Os criadores de testaram mais de 20 tipos de arquivos diferentes para determinar o melhor. Os ataques rápidos de spam se tornaram lugar comum, com o incrível aumento dos surtos. As empresas de anti-spam lutaram muito para combatê-los o mais rápido possível. Isso deixou muito pouco tempo para reação, e muitos usuários de anti-spam acabaram duvidando da qualidade dos produtos que utilizavam.

Porém, com o aumento da eficácia dos filtros de anti-spam para barrar este tipo de anexo, já no final de 2007 e começo de 2008, os spammers estavam usando uma nova tática para driblar as defesas. Mais de 83% dos spams continham uma URL para um servidor web falso que freqüentemente abrigava malwares. De acordo com as tendências de combinação de diferentes técnicas de malware, o número de vírus baseado em URL cresceu 256%.

Essas mensagens normalmente driblam mecanismos tradicionais de spam que procuram palavras-chave ou elementos gráficos com cotações. Quando eles aterrissam na caixa de entrada do destinatário, já conseguiram atravessar uma das partes mais confidenciais da rede corporativa. Tudo o que ele espera agora é um clique errado para se ativar e liberar o acesso à rede interna ou levar o internauta a uma página onde oferecem seus produtos / serviços. Como as URLs utilizadas neste tipo de ataque são muito dinâmicas, alterando seu endereço de 4 ou 6 horas, além de driblar as ferramentas de anti-spam, passam despercebidos pelas soluções tradicionais de filtros URL, que cada vez mais vêm se fixando como uma solução de controle de produtividade e não uma solução real de segurança web.

Outro fator que marcou o mercado de segurança foi o aparecimento da Self Defending Bot Network. Os criadores de vírus evoluíram dos antigos ataques em massa como o do Netsky e do Bagel. Em 2007, os vírus já eram polimórficos e estavam normalmente associados à proliferação de sofisticados botnets, como o Feebs e o Storm.

O Storm e o MPack dominaram as manchetes sobre segurança na Internet, não apenas por causa da extensão e do escopo, mas porque trouxeram novas técnicas mais sofisticadas, que demonstram o refinamento dos softwares maliciosos. Os criadores de malware estão gastando cada vez mais recursos para desenvolver uma plataforma durável e reutilizável. Os métodos de entrega também estão mudando para ataques combinados que reúnem e-mail e web services.

Os ataques de 2008 partem diretamente de dentro da rede corporativa "protegida". Muitos administradores acreditam que protegeram suas infra-estruturas para as quais os spams são apenas coisinhas irritantes. Mas a verdade é que o spam está sendo usado como um gateway para conduzir os usuários para sites perigosos. Para responder a isso, as empresas precisam implementar os sistemas mais avançados de segurança de e-mail e web que sejam capazes de bloquear as ameaças recebidas, reforçar a classificação, varrer todo o tráfego web iniciado pelo usuário e fazer monitorações o mais detalhadas possível em busca de prováveis infecções internas por malware.

Arthur Capella é country manager da IronPort Brasil, unidade de negócios da Cisco, e líder em appliances anti-spam, antivírus e anti-spyware para empresas.

Fonte: Revista Consultor Jurídico


Envie por E-Mail

Os meios eletrônicos desafiam operadores do Direito
Governo lança cartilha com dicas de segurança em redes sociais
Lenovo planeja comprar rivais no Brasil
Você tem perfil para abrir uma empresa on-line?
Microsoft e ITI fecham acordo de cooperação
Funcionários não conseguem se desconectar.
Suporte estendido para Windows 2000 Server termina em 13 de julho de 2010
Funcionário da MS cogita Windows de 128 bits
Google invade privacidade e afronta Constituição
Advogados se rendem às facilidades dos smartphones
Antivírus fraudulento brasileiro "sequestra" sistema
Gripe suína é explorada por spammers
A era da tecnologia é também a era da insegurança
NIC.br cria mais três tipos de domínios
Justiça do Trabalho inicia implantação do processo virtual em nível nacional

Página de 7   
Total de notícias: 98


® 2007 Infraworksys Soluções em Tecnologia - Todos os direitos reservados!
Política de privacidade - Termos e condições