Infraworksys Soluções em Tecnologia
Bom dia - Quarta-feira, 05/08/2020 Você está em: HOME > Notícias

  » Indique a Infraworksys
  » Previsão do tempo
  » Cotações BACEN
  » Links úteis
  » Downloads
  » Notícias
  » Dicas
  » Localização



Newsletters Infraworksys
Cadastre-se e receba nossos informativos.

Nome:

E-Mail:

Aceito receber.



Notícias

Inscreva-se em nosso Feed RSS e receba nossas notícias mais rapidamente.
   Adicionar ao Pageflakes - RSS Notícias - Infraworksys   Adicionar ao Google Reader / iGoogle - RSS Notícias - Infraworksys   Adicionar ao My Yahoo - RSS Notícias - Infraworksys   Adicionar ao Netvibes - RSS Notícias - Infraworksys   Adicionar ao MyMSN - RSS Notícias - Infraworksys

Categoria:

Criado em: 02/01/2008 15:47:23
Categorias: Assuntos jurídicos, Certificação digital, Criptografia, Inclusão digital, Informatização, Processo eletrônico


Processo virtual: OAB quer controlar certificação digital de advogados

por Érika Bento Gonçalves

Se um advogado tiver o registro suspenso na Ordem dos Advogados do Brasil, ele poderá - munido de uma certificação digital - movimentar o processo sem qualquer fiscalização. O cenário, que é apenas um dos levantados depois que o processo virtual começou a ser implantado nos tribunais do país, virou motivo de dor de cabeça para a OAB nacional.

"A nossa preocupação é com a segurança jurídica no processo eletrônico", afirmou Ophir Cavalcanti Filho, diretor do Conselho Federal da OAB. Segundo ele, mesmo que a certificação digital registre eletronicamente todos os dados da pessoa, o prejuízo que uma medida de má-fé pode causar à parte é imenso.

Uma certificação digital custa, em média, R$ 350 e vem com um smart card, um leitor do cartão e o programa de computador que fará a leitura deste cartão. A OAB quer ser a fiscalizadora da emissão destas certificações. Segundo Britto, a entidade está investindo, com recursos próprios, nos procedimentos de certificação digital dos advogados.

A Ordem sugere, ainda, que deve haver uma senha única de acesso a todos os tribunais na emissão da Certificação. Assim, caso o profissional tenha o registro suspenso ou deixe de advogar, a OAB tem como bloquear este acesso.

Movimentação processual

A certificação digital é apenas o primeiro passo para um advogado acessar os processos eletronicamente. Qualquer pessoa pode adquirir uma certificação digital, que é uma espécie de carteira de identidade virtual. Mas somente ela não é suficiente para movimentar um processo. É preciso que o advogado faça um cadastro no tribunal de interesse e receba deste uma senha de acesso. O problema é que cada tribunal possui uma exigência própria no credenciamento do profissional. E isso incomoda a OAB.

"Nosso receio é de que uma vez autorizado o ingresso de terceiros, e não a OAB, como autoridades certificadoras dos advogados, isso venha a ensejar fraudes no peticionamento e outras práticas processuais com o Poder Judiciário", explica o presidente da OAB.

Independentemente dos processos serem digitais ou não, para movimentá-los, o advogado apresenta ao tribunal o seu registro na Ordem. Em tese, isso é uma garantia de que este profissional está apto para tanto. Então, por que a necessidade de fiscalizar surgiu somente agora? "Isso é algo que já preocupava antes e, agora, temos a oportunidade de corrigir esta lacuna", diz o diretor do Conselho Federal da OAB, Ophir Cavalcanti Júnior.

Cultura do papel

Embora haja dúvidas, temores e interesses, a certificação digital no meio jurídico promete agilizar o processo e reduzir despesas. Com os documentos digitalizados, os juízes, munidos de seus certificados digitais, podem assinar sentenças, acórdãos, relatórios, entre outros, sem gastar papel e sem, necessariamente, estar em seus gabinetes. Advogados podem abrir processos, fazer juntadas e petições também sem burocracia.

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região implantou o certificado digital em maio de 2007 e, até outubro, já computava uma economia de R$ 1 milhão em gastos com papel. Uma economia que, quando o sistema estiver totalmente implantado nos tribunais do país, beneficiará não só os cofres públicos, como também o meio ambiente. Em 2006, circularam pelo Supremo Tribunal Federal, por exemplo, 680 toneladas de papel.

O primeiro passo para extinguir as montanhas de papel que lotam cartórios e tribunais foi dado com a aprovação da Medida Provisória 2200, de 4 de agosto de 2001, que instituiu o ICP-Brasil. O passo seguinte foi a Lei 11.419, de 20 de dezembro de 2006, conhecida como Lei do Processo Eletrônico, que entrou em vigor em março de 2007.

Fonte: Revista Consultor Jurídico


Envie por E-Mail

Os meios eletrônicos desafiam operadores do Direito
Governo lança cartilha com dicas de segurança em redes sociais
Lenovo planeja comprar rivais no Brasil
Você tem perfil para abrir uma empresa on-line?
Microsoft e ITI fecham acordo de cooperação
Funcionários não conseguem se desconectar.
Suporte estendido para Windows 2000 Server termina em 13 de julho de 2010
Funcionário da MS cogita Windows de 128 bits
Google invade privacidade e afronta Constituição
Advogados se rendem às facilidades dos smartphones
Antivírus fraudulento brasileiro "sequestra" sistema
Gripe suína é explorada por spammers
A era da tecnologia é também a era da insegurança
NIC.br cria mais três tipos de domínios
Justiça do Trabalho inicia implantação do processo virtual em nível nacional

Página de 7   
Total de notícias: 98


® 2007 Infraworksys Soluções em Tecnologia - Todos os direitos reservados!
Política de privacidade - Termos e condições